POTÊNCIA HMNEWS. ÚNICO COM CREDIBILIDADE E INOVAÇÃO EM PAPEL, INTERNET E EVENTOS.

ELÉTRICA | ILUMINAÇÃO | AUTOMAÇÃO |
SUSTENTABILIDADE | SISTEMAS PREDIAIS
 

 

+ de

106 mil

 

LEITORES, INTERNAUTAS, PROFISSIONAIS E FÃS DA REVISTA POTÊNCIA :)

 
ANUNCIE

Lâmpadas LED só com selo Inmetro

Termina em 17 de julho o prazo para comercialização de lâmpadas LED sem a certificação Inmetro.

Após o fim do prazo estabelecido, ações de fiscalização ocorrerão e lojistas e distribuidores poderão ser autuados, ter as mercadorias sem certificação apreendidas e ainda ser multados.

As lâmpadas LED passaram a receber a certificação obrigatória em outubro de 2016 ainda em seu processo de fabricação e/ou importação. As lojas por sua vez possuem até o próximo dia 17 de julho para venderem seus estoques antigos. Os estabelecimentos cadastrados como micro e pequenas empresas terão prazo estendido até 17 de janeiro de 2018 para a adequação.

“Passamos a distribuir somente lâmpadas com o Selo Inmetro. Isso proporciona ao consumidor a garantia de estar comprando produtos que apresentam maior qualidade e segurança”, afirma Gustavo de Souza, especialista em iluminação da Reymaster, distribuidora de materiais elétricos de Curitiba. 

Contudo, é preciso ficar atento, pois em algumas lojas ainda poderá haver produtos sem a certificação. “O consumidor não consegue diferenciar no ato da compra uma lâmpada LED de excelente qualidade e outra péssima somente pela embalagem. Nem mesmo especialistas conseguem sem equipamentos adequados. Por isso, o selo Inmetro é importante para fazer esta separação”, complemente Souza.

Segundo o especialista da Reymaster, as lâmpadas de má qualidade apresentam problemas bem cedo, como a queda abrupta da intensidade luminosa, queima precoce, entre outras degradações.

 Acompanhe algumas dicas do especialista para não errar na compra de sua lâmpada LED:

  1. Lâmpadas com grande diferença de preço em relação à média praticada no comércio e de marcas desconhecidas podem deixar a desejar nos requisitos mínimos de qualidade;
  2. Ao comprar a lâmpada, o consumidor deve prestar atenção se ela possui a Etiqueta Nacional de Conservação de Energia (ENCE) criada pelo Inmetro. Nela é possível verificar as características do produto, como a potência, eficiência luminosa, e o fluxo luminoso;
  3. Lâmpadas LED de baixo padrão de qualidade podem até não queimar prematuramente, mas passar a funcionar com mais ou menos 70% da capacidade luminosa original em curto período de tempo, deixando o ambiente escuro. Observando esta variação, pode-se solicitar a troca no período de garantia;
  4. Guarde sempre a nota para que possa solicitar a substituição do produto durante o tempo de garantia.

 O uso de lâmpadas LED resulta na redução de até 80% no consumo de energia. Estima-se em 20% o percentual de utilização do LED no Brasil, volume que está crescendo. A expectativa é que em 2018 o LED dominará o mercado mundial, inclusive no País, segundo a Associação Brasileira de Fabricantes e/ou Importadores de Produtos de Iluminação (Abilumi).