POTÊNCIA HMNEWS. ÚNICO COM CREDIBILIDADE E INOVAÇÃO EM PAPEL, INTERNET E EVENTOS.

ELÉTRICA | ILUMINAÇÃO | AUTOMAÇÃO |
SUSTENTABILIDADE | SISTEMAS PREDIAIS
 

 

+ de

106 mil

 

LEITORES, INTERNAUTAS, PROFISSIONAIS E FÃS DA REVISTA POTÊNCIA :)

 
ANUNCIE

Tradener aposta na construção de parques eólicos e PCH's

A Tradener, uma das maiores comercializadoras independentes de energia elétrica e gás natural do país, está investindo, no decorrer deste ano, cerca de R$ 600 milhões em projetos de geração de energia.

São três principais frentes de investimentos que contemplam PCH's, Eólicas e desenvolvimento de painéis fotovoltaicos de última geração.

Em desenvolvimento e estudos desde 2016, a companhia tem um projeto eólico na Bahia e dois no Rio Grande do Sul, com capacidade total de geração de 90 MW e 340 MW, respectivamente. "Estamos trabalhando para iniciar a construção da primeira parte deste projeto (30 MW) ainda em 2017, para a comercialização da energia no Mercado Livre", comenta Walfrido Avila, presidente da Tradener. "Este projeto é de grande importância por se tratar de um marco no setor elétrico que é a viabilização da expansão da geração através do Mercado Livre", diz.

A empresa também tem planos concluídos para construir seis pequenas centrais hidrelétricas (PHCs) em Goiás. As seis centrais devem ter, juntas, capacidade de geração de 120 megawatts (MW). A primeira já está sendo construída entre os municípios de Palestina de Goiás e Arenópolis e deverá iniciar operação comercial até abril de 2019.

O presidente da Tradener, Walfrido Avila explica que o objetivo é garantir energia suficiente a preços competitivos para comercializar a seus clientes. “Quando começamos, em meados de 1998 para 1999, no início do mercado livre, havia muita energia sobrando. Só que a partir de 2010 a gente começou a sentir uma queda nos investimentos. Vimos que poderia faltar energia no mercado livre e que o preço poderia subir. Então resolvemos produzir nossa própria energia”.

 A companhia paranaense vai investir R$ 600 milhões, com apoio do BNDES e também deve contar com o suporte de outros investidores e bancos.