POTÊNCIA HMNEWS. ÚNICO COM CREDIBILIDADE E INOVAÇÃO EM PAPEL, INTERNET E EVENTOS.

ELÉTRICA | ILUMINAÇÃO | AUTOMAÇÃO |
SUSTENTABILIDADE | SISTEMAS PREDIAIS
           
ANUNCIE

Indústria reduz custos com soluções da Mitsubishi Electric

A indústria de alimentos e bebidas brasileira caminha atualmente na contramão da crise que afeta o país.

De acordo com dados da Associação Brasileira das Indústrias de Alimentação (Abia), o setor teve em 2016 um crescimento de 3,11% nas exportações, saindo de US$ 35,3 bilhões em 2015 para US$ 36,4 bilhões no ano passado. 

Para manter a qualidade dos produtos dentro dos padrões de exigência internacional, as indústrias precisam estar em constante atualização, principalmente no quesito maquinário, no qual a confiabilidade e um portfólio completo e integrado passam a ser diferenciais para os fornecedores de máquinas e equipamentos. 

A fabricante japonesa de soluções em automação industrial Mitsubishi Electric enxerga neste mercado um cenário ideal para o crescimento, principalmente pela necessidade das indústrias em reduzir os custos de produção, mantendo o nível de qualidade para que a operação seja financeiramente rentável. “Nossas soluções permitem esse ganho por meio de eficiência energética, aumento de produtividade, redução de perdas e por atender exigências do mercado nacional e internacional”, afirma Hélio Sugimura (foto), gerente de marketing da Divisão de Automação Industrial da Mitsubishi Electric do Brasil. 

Atualmente a empresa atende desde grandes multinacionais até pequenas indústrias com diversas soluções, como Inversores de Frequência, Controladores Lógico Programáveis (CLPs), Interfaces Homem-Máquina (IHMs), Servo Acionamentos e Robôs de pequeno porte. “Estamos com uma boa presença nas indústrias de embalagens e em fabricantes de pães, biscoitos, massas, processamento de carne, processamento de grãos e bebidas, oferecendo soluções que proporcionam um acompanhamento preciso de dados de produção, redução do tempo de ajuste das máquinas além de melhoria de desempenho das mesmas”, conta Sugimura.