POTÊNCIA HMNEWS. ÚNICO COM CREDIBILIDADE E INOVAÇÃO EM PAPEL, INTERNET E EVENTOS.

ELÉTRICA | ILUMINAÇÃO | AUTOMAÇÃO |
SUSTENTABILIDADE | SISTEMAS PREDIAIS
           
ANUNCIE

Cimento verde: você já ouviu falar?

O cimento está em todo lugar. Desde a mais simples moradia até a mais complexa construção, lá está ele. Mas você sabia que são gastos dióxido de carbono e energia em excesso para sua produção? E é por isso que está surgindo o cimento verde.

Com a onda da arquitetura sustentável e dos selos de certificação LEED, o cimento verde está se tornando realidade aqui no Brasil através da parceria entre o IPT (Instituto de Pesquisas Tecnológicas), o Proguaru (Progresso e Desenvolvimento de Guarulhos S/A) e a InterCement.

O objetivo é chegar a um material que gere menor emissão de CO2 e consuma energia para ser produzido.

Cimento verde

O cimento verde é uma tecnologia inovadora desenvolvida pelo IPT, que usa resíduos de construção civil e demolição (RCD). Depois de alguns experimentos, os especialistas brasileiros substituíram parte do clínquer (material que elimina CO2 e precisa de mais calor) do cimento por pó de calcário cru superfino. O rearranjo na fórmula do cimento produzido na USP permitiu reduzir a emissão de CO2 em 50%.

O desenvolvimento da nova tecnologia conta com financiamento de R$ 5 milhões, recursos oriundos de um fundo do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e da InterCement.

O cimento verde é indicado para materiais à base de cimento que precisam de menores resistências mecânicas, e pode ser uma alternativa para a execução de camadas de vias de tráfego baixo e moderado, pois aumenta sua durabilidade e diminui os custos com manutenção.

 

Onde comprar

Atualmente, a tecnologia ainda se encontra em fase de estudos acadêmicos e não está pronta para a comercialização em grande escala. Sua composição, inclusive, ainda deverá ter alterações.

O caminho para uma implementação de produção em massa é longo. Certamente, exigirá vários anos de desenvolvimento. As etapas passam por inúmeros testes e processos de certificação, de regulamentação e de normalização.

Especialistas sugerem que essa tecnologia estará disponível apenas em 2050, mas mesmo com tanto tempo de pesquisa, é muito interessante notar que a sustentabilidade não está apenas no papel, mas também fazendo a diferença em diversos meios e impactando a sociedade.

Falando nisso, você já ouviu falar em Negócios de Impacto Social? Nós falamos tudo sobre esses empreendimentos neste post do blog.