POTÊNCIA HMNEWS. ÚNICO COM CREDIBILIDADE E INOVAÇÃO EM PAPEL, INTERNET E EVENTOS.

ELÉTRICA | ILUMINAÇÃO | AUTOMAÇÃO |
SUSTENTABILIDADE | SISTEMAS PREDIAIS
           
ANUNCIE

Cooperativa de geração de energia

Lançada oficialmente em Curitiba, a Companhia de Energia Paraná 1 (PR1), do sistema Ecoperativa, é a primeira cooperativa de geração distribuída remota de energia elétrica do Paraná.

A usina, em fase de construção na cidade de Fazenda Rio Grande, entrará em operação em janeiro de 2019, levando energia gerada por biomassa lenhosa para aqueles que aderirem à cooperativa.

“É uma proposta que contribui para um mundo mais sustentável ao mesmo tempo que garante a energia elétrica para os cooperados, um produto cada vez mais necessário no mundo de hoje”, comentou o presidente da PR1, Paulo Rabelo. Houve também o pré-lançamento da PR2, que vai atender empresas de pequeno e médio consumo, enquanto que a PR1 vai atender o público consumidor residencial.

As duas unidades juntas possuem 13 mil cotas que estão em fase de comercialização. Cada cota é de 50 kWh energia/mês e no caso de pessoas físicas o custo unitário é de R$ 800,00 mais a taxa de adesão no valor de R$ 400,00. Se a unidade tiver um consumo maior que 50 kWh no mês poderá adquirir mais de uma cota. Mesmo sendo gerada na região metropolitana de Curitiba a energia pode ser distribuída para qualquer região do Paraná, desde que a localidade seja atendida pela Copel.

Pelo sistema Ecoperativa não é necessário fazer alteração no imóvel e todos os trâmites legais e financeiros junto à concessionária são feitos pela própria cooperativa. No final do mês a conta terá descontado o percentual referente a energia gerada pelo sistema.

O vice-presidente da Ecoperativa, Ismênio Castro Braga Junior, calcula que “o cooperado que gerar a própria energia por meio de biomassa terá uma economia de 20% no gasto com o consumo de energia no caso de empresas e de até 30% no caso de residências”, afirma. Outro fator importante é que o consumidor fica imune à incidência de bandeiras tarifárias que alteram os valores da conta de luz.

A geração de energia elétrica será feita a partir de resíduos de biomassa lenhosa, oriundas de podas de árvores das ruas, parques e praças da região metropolitana de Curitiba.

A proposta foi idealizada pelos empresários Luiz Sperandio e Julio Cesar Giovannetti Netto, a partir das resoluções normativas nº 482/2012 e nº 687/2016 da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel).

“Inicialmente pensamos na energia fotovoltaica, mas nos aprofundando no tema e chegamos na biomassa lenhosa, abundante no Paraná e no Brasil. Encontramos mais dois parceiros em Curitiba, um na parte industrial e outro para oferta regular do passivo ambiental”, contou Luiz Sperandio durante o lançamento.